Cozinha Amazônica


Quando você vir ao norte não pode deixar de saborear nossas iguarias: maniçoba, pato no tucupi, tacacá, peixe assado, frito ou cozido. Deu água na boca, então venha para cá !!!!!

A cozinha amazônica é riquíssima. São pratos coloridos, exóticos e deliciosos.
Reúne pratos de tradições indígenas, européias, africanas e também influência nordestina. A base alimentar das familias quilombolas-ribeirinhas de Cametá é o açaí ou a bacaba, misturado com a farinha, acompanhado do peixe principalmente o mapará.


MANIÇOBA – É um prato de origem indígena, típico da culinária amazônica muito utilizada principalmente em épocas de grandes festas, como o Círio de Nazaré. Mas também pode ser saboreada nas praças de alimentação, feiras livres ou festas sociais.
A receita especial de maniçoba consta de maniva (folha extraída da mandioca) moída que deve ser fervida durante sete dias ou mais. O motivo de ficar tanto tempo no cozimento é porque a maniva possuí a capacidade de liberar o ácido cianídrico (que é venenoso) se ingerido in natura pode levar à morte por intoxicação. Ela é temperada com quase todos os ingredientes da feijoada.

PATO NO TUCUPI – prato bastante típico do nortista, feito com tucupi, caldo extraído da mandioca, de cor amarelada. Quer saber como se faz? É simples: tempere o pato com todos os temperos: sal, alho, pimenta, cheiro verde, vinagre, vinho de urucum...(de preferência deixe nesses temperos de um dia para o outro), leve ao forno para assar bem. Depois é só cortá-lo em pedaços. Após essa etapa, coloca-se numa panela para ferver os pedaços de pato junto com o tucupi. Depois é acrescentado folhas de jambú (folha nativa) que é cozida até os talos ficarem moles. Pode ser acompanhado de arroz branco, farinha e pimenta-de-cheiro a gosto. É UMA DELÍCIA!!!

CARANGUEJO - pode ser feito desfiado ou no toc-toc (quebra-se o caranguejo com a ajuda de um martelo de madeira sobre a tábua de cortar), podendo ser comido com feijão, arroz e farinha.

PEIXE FRITO, ASSADO NA BRASA, MOQUEADO (assado na folha da bananeira) pode ser de gó, jatuarana, posta de filhote, gurijuba.... Depois das 11 horas da manhã nas feiras livres amazônicas é hora de feijão, arroz e posta de peixe-frito e acompanhado de açaí, há de todo jeito e espécie, desde o fifite de mapará, tostadinho ao gosto do freguês, às pratiqueiras, postas de pescada, filés de dourada e a mais famosa que é a posta de filhote que serve como tira-gosto. Em toda parte, nas biroscas, botecos, feiras, trapiches e principalmente nas praias, é comida que não se pode deixar de saborear.

Obs: É bom lembrar que as comidas são feitas com vinho de urucum e à disposição de todos, muito limão e muita pimenta de todo tipo: cheirosa, amarela, verde, malaguêta, dedo de moça e outras.
O nortista usa muito a farinha em suas refeições. É complemento que não pode faltar à mesa, igual o açaí.

MAPARÁ NO QUITIM, DE BARRIGA CHEIA coloca-se no bucho do peixe, alfavaca, chicória, cheiro verde, manjericão, e amarra com cipó, levando à brasa para assar.

TUCUNARÉ – peixe de escama de cor dourada, saboroso, pode-se fazer caldeirada ou assado na brasa.

MAIS PEIXES ?
Pajupirá, sarda, cação, peixe-pedra, sioba, bandeirado, jatoxi, pescada amarela, xaréu, serra, curimatã, jacundá, traíra, terçado (arauanã), uritinga, acará, mandubés, pratiqueira, sardinha, matrinchã, caratinga, acari-bodó, bagre, jaraquí, tambaquí... escolha a receita, junte os temperos e mãos a obra...


Obs: São iguarias que podem ser encontradas na feira livre da Cidade e nos restaurantes simples, populares e sofisticados.

TAPIOCA –Conhecida também como “tapioquinha”, é feita de goma (polvilho), uma pequena quantidade de goma é colocada na frigideira quente, que espalhada fica igual a uma panqueca, depois fica a critério do freguês: molhada com leite de coco ralado, tapioca na manteiga, com côco ralado, tapioca solteira, casada, no leite moça, fina, grossa... pronta para tomar com café.

Obs: da tapioca se faz a goma do tacacá, a farinha, o beijú, a palma de pão, a tapioca, o mingau de tapioca, a farinha de tapioca, seca, farinha d’água.

E do que se faz a tapioca?
Retira-se ralando a mandioca e espremendo no tipiti para tirar o suco e desse suco separa-se a borra que vira tapioca e a água que vira tucupi que é ingrediente para o tacacá, o cozido, a pimenta, o jambu e carne de caça e peixe tamuatá e outros.

CHIBÉ - Para o caboclo que está no meio da mata, à beira dum igarapé, não haverá prato mais gostoso e simples de fazer que o CHIBÉ, denominado de alimento dos pobres; não falta em nenhum casebre. Cada um faz o seu quando não tem peixe ou carne, pão ou fruta, nem mesmo o açaí. É só juntar água no prato com farinha de mandioca e se tiver açúcar, melhor ainda para espantar a fome. Há também quem acompanhe o chibé com peixe frito, carne assada, pirarucu ou qualquer outro alimento salgado.

TACACÁ - da comida do caboclo amazônico podemos citar o TACACÁ, um tipo de sopa preparada feito de goma de mandioca, tucupi bem amarelinho (fervido com alfavaca, chicória e alho), sal, pimenta de cheiro bem amarelinha, folhas de jambú cozidas e camarão seco. Essa famosa iguaria é bebida na cuia e servida bem quente.

F R U T AS

VINHOS AMAZÔNICOS – PROVE E COMPROVE

Os vinhos amazônicos, são:
Vinho de açaí - nas modalidades branco, preto e parau – fino, grosso ou papa ou chororó.
vinho de tucumã
Vinho de miriti
Vinho de cupuaçu
Vinho de taperebá
vinho de muruci
vinho de cacau ou capilé
vinho de bacuri
vinho de bacaba
vinho de limão azedo
vinho de jaca
vinho de laranja da terra
vinho de graviola
Vinho de uxi


São feitos de frutas colhidas na floresta e comercializadas nas feiras.
Vinho, na verdade, é como o nortista chama o que se poderia chamar de suco e pode ser tomado com farinha. Detalhe: aqui quase tudo é comido com farinha.

FRUTAS

AÇAÍ – Palmeira nativa da Amazônia. Esta sem dúvida, desempenha uma grande importância econômica, social e cultural para o povo da Amazônia. É encontrado principalmente ao longo dos rios, igarapés e áreas úmidas. Fruto de cor arroxeado, do qual se extrai o tão apreciado vinho ou suco de açaí. Da fruta do açaizeiro se extrai, amassado na mão ou batido nas máquinas. Costuma-se a “comer” com peixe assado ou frito, charque, pirarucu, camarão. Diz-se “comer”, porque mistura-se farinha de mandioca ou de tapioca, fina ou grossa, para fazer uma espécie de pirão de açaí para saborear com o que tiver. Em muitos lugares, tira-se na hora, da árvore e se amassa, tem que ser servido novo, espumando, na cuia, mas pode-se tomar gelado, com ou sem açúcar ou adoçante, com ou sem farinha. Tem gente que gosta azedo, que faz mingau ou congela para os períodos da entressafra.
Há também o açaí do tipo branco.
O açaí é um alimento energético, rico em fibras, proteínas e nutrientes, como o potássio, vitaminas E e B e cálcio; possui valor energético duas vezes superior ao leite; suas fibras aceleram o transito intestinal, portanto um alimento bastante completo.
Alem de servir como fruto, pode-se fazer geléia, mingau e corante; pode ser usado como adubo e, quando seco, para usar como colar; do tronco faz-se construções rurais como ripas e caibros; da palha pose-se fazer chapéu, tapete, abanador e cestos e outros.

Obs: Depois que se bebe o açaí, dá uma morrinha, uma moleza no corpo e é então a hora da sesta. Para quem não deseja ter a morrinha e não quer dormir, aconselha-se botar água na tigela do açaí à modo de lavar a vasilha e beber essa água. É um santo remédio para continuar em atividade.

A fruta é tão querida que é fonte de inspiração de músicas e poesias, dentre várias tem uma música, escrita por um compositor e cantor parasense, Nilson Chaves que revela essa majestosa palmeira amazônica.

Sabor Açaí

E pra que tu foi plantado
E pra que tu foi plantada
Pra invadir a nossa mesa
E abastar a nossa casa

Teu destino foi traçado
Pelas mãos da mãe do mato
Mãos prendadas de uma deusa
Mãos de toque abençoado

És a planta que alimenta
A paixão do nosso povo
Macho fêmea das touceiras
Onde Oxossi faz seu posto

A mais magra das palmeiras
Mas mulher do sangue grosso
E homem do sangue vasto
Tu te entrega até o caroço

E a tua fruta vai rolando
Para os nossos alguidares
E te entrega ao sacrifício
Fruta santa fruta mártir

Tens o dom de seres muito
Onde muitos não têm nada
Uns te chamam de açaizeiro
Outros te chamam juçara

Põe tapioca, põe farinha d'água
Põe açúcar, não põe nada, ou me bebe como um suco
Que eu sou muito mais que um fruto
Sou sabor marajoara
Sou sabor marajoara
Sou sabor...

Nilson Chaves e João Gomes


PUPUNHA – Retire os cachos! Cuidado!!! A árvore é cheia de espinhos, ponha água na panela, ponha sal e depois coloque as pupunhas, deixe ferver e veja se amoleceram. Deixe esfriar, retire a casca e coma com café, ponha mel ou leite moça dentro. Fruta bastante vendida nas ruas por ambulantes. Contém proteínas, carboidratos, cálcio, ferro, fósforo e vitamina A.

BACURI – fruta de cor amarela dourada, às vezes bastante ácida, dessa fruta pode-se fazer: suco, creme, doce, sorvete, geléia, iogurte e muito mais. Quem prova, não esquece o sabor!

CASTANHA DO PARÁ – fruto da castanheira, denominado de ouriço que constituí-se em uma resistente cápsula, abrigando em seu interior um número variado de sementes, denominadas castanhas. Fruta tão valiosa como comida; rica em proteína e calorias, considerada por muitos como carne vegetal. Fruta que tem mais ou menos a metade da proteína de um bife e 2 vezes mais calorias. Sua casca é bastante resistente. Da castanha pode-se fazer leite, sorvete e doce; do ouriço faz-se artesanato, carvão e remédio (hepatite, anemia e problemas intestinais).

UXI – fruta que apresenta polpa gordurosa. Pode ser consumida in natura (pronto consumo). Da fruta pode-se fazer sorvete, suco, licores, doces e óleo; da semente faz-se artesanato.

BACABA – é uma palmeira da Amazônia. Os frutos são pequenos e arredondados. Da fruta produz-se um vinho forte com o mesmo processo do açaí. Do fruto extrai-se o óleo utilizado para comida.

TUCUMÃ – Palmeira que produz cachos numerosos, o fruto tem cor alaranjada e polpa grudenta e fibrosa. Excelente fonte de vitamina A e energia; do caroço pode-se fazer pulseiras, colares, petecas e anéis.

CUPUAÇÚ – é uma das frutas mais populares da Amazônia. A polpa é utilizada no preparo de sorvetes, doces, mousses, bombons, geléias, sucos, iogurtes e biscoitos. As sementes, depois de secas, são utilizada n fabricação de chocolates brancos.